O SEGUNDO ÁLBUM DO DISCLOSURE SERÁ UM ESTOURO

O SEGUNDO ÁLBUM DO DISCLOSURE SERÁ UM ESTOURO
08 DE Julho DE 2015
No final de 2012, enquanto o big room parecia a última bolacha do pacote e o trap começava a subir o grave e fazia tremer alguns quadris por pistas e becos por aí, o Disclosure chegava no sapatinho com um disco diferentão, com influências que remetiam os anos 1990, mas que guiavam um futuro pro house que todo mundo conhece.
A história aí de cima você conhece, o duo inglês dos irmão Guy e Howard Lawrence lançou em 2013 o álbum Settle, um disco cheio de hits e que ajudou a lançar diversos artistas como AlunaGeorge, Eliza Doolittle e ele, que conquistou até a sua mãe no último ano, Sam Smith.

O lance é que depois de todo o sucesso dos anos passados os irmãos resolveram que já estava na hora de lançar um novo disco. E ele vem aí, batizado de Caracal e com lançamento previsto para setembro. Mas o que esperar do álbum que vem substituir justamente – me desculpem os conservadores – um clássico recente?
Começando pelo único single lançado até o momento, "Holding On". Com os vocais de Gregory Porter, um forte nome do jazz que dá o que o Disclosure sempre sugere em suas música: um vocal forte e com apelo noventista. A track remete muito aos trabalhos anteriores do duo, e isso é uma ótima introdução à um novo trabalho, que apesar das suas diferenças, ainda lembra "F for You" e "White Noise". Boa notícia para fãs acomodados.
O clipe de "Holding On" é o primeiro de uma série de quatro vídeos que formarão um curta. Veja – e ouça:

Quanto as demais faixas do disco, não devemos esperar o mesmo do primeiro single. Se formos reparar nas faixas que foram lançadas no intervalo entre estes dois discos, vemos "Bang That" e "Mechanism" que seguem bem a linha de Settle, porém com um experimentalismo maior, bem como "You Stressin'", onde produziram para o rapper Bishop Neruh e abusaram de referências do triphop, ou "Together", em que foram sensuais no groove e contaram com a participação de Nile Rodgers, Jimmy Napes e Sam Smith.



Aliás, essa é uma característica já dada pela dupla. Além de Sam Smith, que foi lançado com a ótima "Latch", Caracal, deve contar com artistas de peso, e isso foram eles mesmos que disseram para a NME.

Quer dizer, se antes os irmãos reforçaram a cena local e impulsionaram artistas com seu belo disco, agora a cena deles é outra, composta por medalhões, tal qual eles se permitem ser. Se ficamos surpresos quando o primeiro disco chegou, talvez o segundo não nos abale tanto, mas sem dúvidas vem um disco que permitirá ser explorado e curtido.

Por Rodrigo Guarizo 
Equipe Fusion